Saturday, 17 December 2016

Fog @ Richmond Park

O dia amanheceu escondido atrás de um pacote de neblina hoje, bem do jeito que eu adoro. Da última vez que isso aconteceu eu tinha que trabalhar e só consegui passar pela praça por um minuto pra tirar uma foto, então hoje aproveitei pra ir pro Richmond Park, que já faz tempo que eu queria ver cheio de névoa.

Aviso: muitas fotos!




Às vezes batia uma garoinha bem fina e estava bem úmido, mas não estava frio,  clima perfeito pra uma caminhada mesmo no mato (que geralmente é mais gelado). Tentei levar as crianças comigo mas o iPad estava mais atraente hoje, então saí só com o cachorro. E ela se comportou tão direitinho, andando sempre perto de mim e me obedecendo quando eu chamava (exceto quando passaram dois cavalos, aí ela saiu feito louca com medo e eu tive que correr atrás).


O parque fica numa parte mais alta do bairro então a neblina estava mais carregada ainda. Tinha muita gente andando com criança, com cachorro, com bicicleta, e sei lá como explicar a sensação de andar no meio dessa brancura toda, só sei que é meio mágico, muito tranquilo, uma delícia.




A paisagem normalmente é de um campo a perder de vista, árvores, e hoje estava tudo assim:




Scarlet curtiu muito o passeio, não parou um minuto, explorou tudo. No fim ela estava claramente exausta (o que era a intenção, hehe).








Andei tanto, TANTO, porque peguei umas trilhas alternativas e no meio desse contrário de breu eu logo já não sabia mais pra que lado estava indo. Sabia pra onde queria ir - a Pen Pond no meio do parque - e do jeito que andei achei que já tinha até passado, mas quando olhei no mapa ainda estava super perto do portão e longe do lago. Devo ter andado meio em círculos, rs, e deu preguiça de continuar quando achei que já estaria pertinho, mas fui assim mesmo. Sei lá quando eu ia pra lá de novo na neblina, né?


Árvores enormes e ocas, muito filme de terror isso



Tem alguma coisa de muito incrível em árvores desfolhadas no inverno, não tem?






Scarlet curtindo a vida adoidado





Depois de olhar o mapa e andar mais um bocado, descobri que eu AINDA estava longe de onde eu queria ir. Tinha algum feitiço nessa neblina e ele estava esticando meu caminho, só pode.






Eu estava procurando renas, é lógico. Esse é meu objetivo principal toda vez que vou ao Richmond Park, não importa o que eu realmente tenha ido fazer lá. Passei por todos os pontos onde elas costumam estar, e só encontrei rastros. Fresquinhos e em abundância. Se forem sair na rua na noite de Natal, cuidado com as cabeças.

Cocô de rena



Aqui eu já me encontrei. Esse trecho da rua leva ao White Lodge, que é a mansão onde funciona o Royal Ballet School, a escola de balé bam bam bam daqui. Então quase nunca passa carro e depois de um trecho só pode andar a pé ou de bicicleta. Tem um monte de árvores e é uma parte muito tranquila, uma das minhas favoritas.





Gostei de ver o chão forrado de folhas secas, parecia que eu tinha voltado algumas semanas no tempo Nas ruas já não tem mais nada, as árvores já estão peladas e o chão já foi limpo e o que sobrou está úmido e feio. Mas aqui não, mesmo molhadas as folhas ainda estavam crocantes. E essa cara de que lá na frente vai aparecer a casa da bruxa má? <3




White Lodge, The Royal Ballet School (é cercado, não dá pra entrar)



Nesse ponto tivemos um pequeno atraso devido ao incidente já citado com os cavalos, mas logo retomamos o percurso e finalmente chegamos no Pen Pond. Como eu imaginava, o lago estava escondido na névoa, mais ainda do que eu pensei, mal dava pra ver o outro lado.






Aqui o chão estava bem fofo com folhas e tudo muito molhado, minhas meias já estavam encharcadas a essa altura (mas não estava frio, então não incomodou).




Abaixo dá pra [não] ver o White Lodge de novo. Eu já estava voltando, mas passei mais longe pra poder andar pelo meio das árvores.





E aí chegamos no campo aberto de novo e rapidinho as árvores sumiram na neblina. Tinha MUITO passarinho fazendo um barulho tão alto que eu achei até que fosse eco, mas eram eles mesmo.




O parque é cortado por um reguinho d'água que eu acho que nunca vi com água, está sempre seco. Hoje estava cheio! Tive que dar uma baita volta pra atravessar (quando está seco é só passar pelo buraco) mas valeu a pena, que bonitinho esse laguinho :-)


A essa altura eu já tinha praticamente desistido de procurar renas, estava cansada, Scarlet também. Só que eu estava perto de um dos pontos onde elas costumam ficar e apertando os olhos deu pra ver umas formas lá longe que podiam ser elas - e eram! Não pude chegar muito perto por causa do cachorro, mas faz parte. Completou meu dia.





E aí foi só voltar pra casa, depois de umas duas horas andando. Scarlet ainda encontrou outro cachorro e brincou um bocado com ele (não sabia que ela ainda tinha energia pra correr, gente! Eu já estava exausta e com fome). Valeu a pena, MUITO, vencer a preguiça hoje :-)